Morte por cobertor

Uma briga por conta de cobertores sujos terminou com a morte da dona de casa Claudinéia da Conceição Ramos, de 29 anos. Ela foi morta com ao menos 17 facadas na noite deste domingo (13) na zona rural de Capixaba, interior do Acre. A família acusa o marido e diz que os filhos do casal, de cinco e dez anos, testemunharam o crime.

Veja mais

Espaço para mamar

O Ministério Público do Trabalho em Goiás (MPT-GO) obteve decisão judicial que determinou ao Shopping Passeio das Águas que providencie um espaço em que os filhos das empregadas que trabalham no local possam ser amamentados até os seis meses de idade. O pedido feito pelo MPT é baseado no que estabelece a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT). A sentença foi dada pela 16ª Vara do Trabalho de Goiânia.

Veja mais

Gerente de supermercado

O Ministério Público do Estado do Amazonas, por meio de inspeção coordenada pela 51ª Promotoria de Justiça Especializada na Proteção e Defesa do Consumidor (Prodecon), flagrou a comercialização de produtos alimentícios estragados e com prazo de validade vencidos em um supermercado, no bairro Nova Cidade, zona Norte de Manaus. Os produtos foram apreendidos e encaminhados para perícia, enquanto o gerente do estabelecimento foi encaminhado para a Delegacia do Consumidor, a fim de prestar esclarecimentos.

Veja mais

Uso de ambulâncias

O início do ano de 2011 foi um dos piores para a população dos municípios de Nova Friburgo, Petrópolis e Teresópolis, entre outros do estado do Rio de Janeiro. As chuvas torrenciais provocaram alagamentos e deslizamentos, e centenas de vítimas tiveram de ser socorridas pelos hospitais da região. Como não havia estrutura local para dar guarida para tantas pessoas, o Ministério da Saúde solicitou o auxílio de empresa que mantinha contrato com três hospitais da cidade do Rio de Janeiro. Ela prestou o socorro na área afetada, mas não recebeu pelo serviço, motivando ação na Justiça Federal. A União foi condenada em 1ª Instância e no TRF2.

Veja mais

Cheque clonado

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4) negou pedido de indenização por danos morais de uma associação de moradores do Paraná contra a Caixa Econômica Federal pelo desconto de um cheque clonado no valor de R$ 2.015,00. Segundo a decisão da 3ª Turma, tomada no final de outubro, o valor foi reposto pelo banco e o caso não passou de mero aborrecimento, não caracterizando abalo moral que justifique indenização.

Veja mais

Um orgulho !

Quando os filhos da ex-seringueira Marlene da Costa Maciel, de 59 anos, começaram a crescer, ela e o marido não titubearam. Abandonaram a vida no Seringal Extrema, no Rio Moa, interior do Acre e se mudaram para uma propriedade rural no Ramal Macaxeiral, na zona rural do município de Cruzeiro do Sul. O objetivo do casal era permitir que os filhos pudessem estudar e ter melhores oportunidades.

Veja mais

De Vassouras a Brasília

Natural da charmosa cidade de Vassouras, no interior do Rio de Janeiro, o ministro Luis Roberto Barroso, do STF, tinha um sonho antes de decidir ingressar na área de Direito: compositor. “Eu adorava música. Sou da geração em que despontaram Chico Buarque, Caetano Veloso, Gonzaguinha. O meu problema é que eu não tinha grande talento musical. Tinha a pretensão de ser um letrista razoável, mas eu não era um virtuose na música.

Veja mais

Fio Maravilha

João Batista de Sales, o Fio Maravilha, de 71 anos, ex-atacante do Flamengo, que ficou famoso mais pela música composta em sua homenagem por Jorge Ben, em 1973, do que pelo seu futebol folclórico e desengonçado, vive desde 1981 nos Estados Unidos, exatamente na Costa Oeste. Lá, em São Francisco, Califórnia, ele sempre trabalhou como entregador de pizzas. E é o que continua fazendo. “Nunca fui dono de pizzaria em São Francisco, infelizmente”, frisa o ex-atacante mineiro do Flamengo e irmão de Germano, ex-ponta do Flamengo, do Milan e do Palmeiras, já falecido.

Veja mais

Corte no orçamento

A atual administração do Tribunal de Justiça já promoveu, somente no ano de 2016, um corte superior a R$ 108 milhões nos investimentos que estavam programados. Também houve redução das despesas do Judiciário estadual, na ordem de R$ 28,7 milhões, superando R$ 137 milhões em economia de recursos.

Destruição de caca-níqueis

O Tribunal de Justiça o Espírito Santo publicou autorizou a destruição de máquinas caça-níqueis e de bingo eletrônico após a realização da perícia em seus componentes eletrônicos. Além de não haver um local apropriado para depósito desses equipamentos, o seu armazenamento inadequado poderia trazer riscos à saúde pública, por se tornarem ambientes propícios à proliferação de pragas e insetos, em especial, larvas do mosquito Aedes Aegypti.

Veja mais