Um crime bárbaro

Um crime bárbaro

Menos de 24 horas depois do crime que tirou a vida da jornalista e servidora do Ministério da Cultura (MinC) Maria Vanessa Veiga Esteves, de 55 anos, a equipe da 2ª Delegacia de Polícia (Asa Norte), em Brasília, comandada pelo delegado Laércio Rosseto, prendeu os criminosos. Na noite da última terça-feira, por volta das 23h, na 408 Norte, Alecsandro de Lima Dias, 26, e o amigo, um adolescente de 15 anos, caminhavam pelas redondezas até avistarem Maria Vanessa, que estacionava o carro próximo ao Bloco C, prédio em que morava. Após roubar os pertences da servidora, Alecsandro a segurou e o menor, cujo nome não pode ser divulgado em respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente, desferiu um golpe de faca.

Perguntado pelo Correio Braziliense sobre o crime o delegado Laércio Rosseto respondeu:

“Portar faca não é crime no Brasil. Não dá para encaixar nem como contravenção de arma branca. Crimes assim crescem por aqui e é necessário uma legislação em torno disso. Apreendemos facas todos os dias aqui, mas não podemos fazer muita coisa. Tem sido o instrumento predileto de criminosos, hoje em dia. Mas medidas preventivas devem ser tomadas. As pessoas têm que evitar ficar paradas dentro do carro, ficar atentas ao movimento do local quando se estaciona e tomar cuidado com o celular, que muitas vezes tira a atenção. Mulheres costumam ser um alvo mais fácil, principalmente em momento de chegada e saída delas do veículo.”