Nos 2.645 dias em que foi governador do Rio de Janeiro, de janeiro de 2007 a abril de 2014 (87 meses), Sérgio Cabral praticou um ato criminoso a cada dois dias. De acordo com as denúncias do MPF (Ministério Público Federal), descritas em 16 processos, o peemedebista cometeu 1.494 crimes.

Ao todo, foram 312 atos de lavagem de ativos, 275 de lavagem de dinheiro, 68 crimes de evasão de divisas e 719 de corrupção passiva, além de quatro fraudes de licitação, um crime contra a ordem econômica e um por formação de quadrilha (ou organização criminosa).

Na última sexta-feira, ele completou o primeiro dos 72 anos de pena de reclusão a que foi condenado em apenas três processos – período que ele não deve cumprir, devido à sua idade (54 anos) e porque a legislação brasileira não permite que ninguém passe mais do que 30 anos atrás das grades.