O advogado Pedro Paulo de Andrade Netto, 57 anos, presidente do Sindicato dos Artistas do Rio Grande do Norte (SATED), foi condenado pela Justiça Federal no Rio Grande do Norte a 7 anos e 2 meses de prisão por tráfico internacional de pessoa. A denúncia recai sobre o fato de que Pedro Paulo agenciava as mulheres traficadas para a Itália.

“A prova da materialidade do crime de tráfico internacional de pessoa para fins de exploração sexual está consubstanciada nos depoimentos prestados pelas vítimas e documentos acostados nos autos, nos quais se destacam os laudos periciais, relatórios de inteligência, relatórios de busca e apreensão, incidentes de interceptação telefônicas e sigilo de dados”, escreveu o Juiz Federal Walter Nunes da Silva Júnior, titular da 2ª Vara Federal no Rio Grande do Norte, ao proferir a sentença.

O magistrado chamou atenção que esse tipo de crime é um atentado contra própria dignidade da pessoa humana. “Tendo em vista o perfil das vítimas desse delito, bem assim o lucro que vem o comércio de pessoas traficadas proporcionando a seus agentes, pode-se mesmo afirmar que o crime em comento não atenta somente contra os bons costumes, mas também e em especial contra os princípios da valorização e da dignidade da pessoa humana”, observou.

Segundo a denúncia, acolhida pelo Judiciário, Pedro Paulo era o responsável por toda a logística prévia ao embarque, contato com os contratantes italianos, repasse de dinheiro para aquisição de passaporte e custeio das documentações necessárias; ou seja, todos os atos necessários ao traslado.

No processo foram absolvidas a médica Maria Oscalina Maciel Cavalcante, tradutora oficial Selma Socorro Santiago da Costa, e Ferdinando Brito Araújo, conhecido como “Nando”, e o italiano Mariano Loreti, produtor de artistas.