O comentário é do procurador do Sindicato dos Advogados do Estado do Rio de Janeiro, Nicola Manna Piraino:

“Raso e pobre, o quadro político, na sua grande totalidade. Não vejo qualquer debate sobre as propostas de governo, pelos simpatizantes. Nada se fala, por exemplo, sobre a necessidade da reforma política, para reduzir drasticamente os 38 partidos politicos existentes, muitos deles de aluguéis. Busca-se um salvador da pátria, mesmo que possuidor de telhado de vidro quebrado, com zero de racionalidade, e que também faz parte do sistema, há decádas, e dele se beneficiou. O voto é muito mais do contra o postulante a ou b, do que a favor da capacidade e dos projetos do candidato, de cada um dos eleitores. Você pode falar, cantar ou dramatizar, porque com os efeitos de lavagem cerebral permanente, torna impossível tal conscientização. As eleições para a Câmara e o Senado, que são fundamentais para a governabilidade, está esquecida, e, certamente, a bancada B.B.B. vai aumentar, lamentavelmente. E segue o baile.”