A Vara do Júri de Itabuna, no sul do estado da Bahia, realizou o julgamento de um caso de homicídio com tradução em Libras (Língua Brasileira de Sinais. Foi o primeiro juri realizado no Brasil que contou com a presença de tradutores especializados em Língua Brasileira de Sinais. Antes disso houve apenas uma audiência realizada no Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul com a presença de tradutores, uma vez que foi pleiteada por uma pessoa portadora de deficiência auditiva.

O juri teve a presença de deficientes auditivos e a iniciativa partiu da juíza titular da unidade, Márcia Cristie Leite Vieira Melgaço. O julgamento, que aconteceu no salão do Júri do Fórum Rui Barbosa, contou com três professores/tradutores da Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB), Wolney Gomes Almeida, Neuma Souza Santos e Thais Campos de Jesus.

Os tradutores que atuaram no juri participaram de reuniões prévias com a juíza presidente Vieira Melgaço, o promotor de Justiça, Rafael Lima Pithon e o defensor público, Hamilton Gomes.