Deu no Antagonista: O STF está decidindo se a inelegibilidade de candidatos prevista na Lei da Ficha Limpa pode ser aplicada a casos anteriores à sua aprovação, em 2010.

Luís Roberto Barroso, que defende a “inelegibilidade retroativa”, disse o seguinte em seu voto:

“É preciso mudar a realidade no Brasil. Criar um tempo em que não seja normal nomear diretores de estatais para desviar dinheiro. Que não seja normal fraudar licitações. Que não seja normal sair carregando mala de dinheiro.”