Da advogada Daniela Tamanini: “Há um ano atrás, no aniversário da Constituição Federal, a Primeira Turma Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal fez valer o que o constituinte nos garantiu ainda em 1988: o direito à saúde e à vida digna.

Mas não apenas isso. A histórica decisão de relatoria do Exmo. Desembargador George Lopes Leite, acompanhada pelos Desembargadores Sandra de Sanctis e Carlos Pires, foi muito além da aplicação do Direito ao caso concreto. Mostrou-se como verdadeira lição de humanidade, cidadania e senso de justiça. Essa foi mais uma batalha vencida contra o preconceito. Acredite, lute sempre pelos seus direitos.

Aos pais desta jovem menina, minha eterna gratidão pela confiança, pela oportunidade ímpar de superação, e por me ensinar o verdadeiro sentido de amor incondicional.

À Ju, meu exemplo de garra e determinação, toda minha admiração!!

Retrospecto

A decisão unânime e histórica da 1ª Turma Criminal do Tribunal de Justiça do Distrito Federal de conceder salvo conduto autorizando uma família de Brasília a cultivar cannabis cativa e índicar para fins terapêuticos da filha adolescente que é portadora da Síndrome de Silver-Russel fez valer todos os nossos princípios constitucionais, em especial neste 5 de outubro quando o pais comemorava os 29 anos da entrada em vigor da nossa Constituição. A afirmação é da advogada Daniela Tamanini que há cinco meses lutava junto ao TJ para conseguir a autorização judicial. A decisão vale somente para o tratamento da adolescente e a família deverá entregar relatório periódico sobre o cultivo, extração e utilização das substâncias CBD e THC para o delegado titular da 9ª Delegacia de Polícia, que será responsável por fiscalizar o cumprimento das condições impostas pela Justiça. A entrevista foi concedida ao jornalista Valter Lima da Rádio Nacional.