Em um resultado inédito no Vasco, o candidato de oposição, Julio Brant superou o atual presidente do clube, Eurico Miranda e foi o mais votado na eleição para a presidência do clube, considerando as urnas regulares. Entretanto, a presença de 474 sócios que votaram sob suspeita de irregularidade, em urna que teve vitória de Eurico, levará a decisão da eleição para a Justiça. No fim, as duas chapas comemoraram a vitória.

Nas urnas regulares, Brant venceu o dirigente, candidato à reeleição, por 1933 votos a 1683. Entretanto, decisão do Tribunal de Justiça do Rio determinou que caso o vencedor não abrisse margem de votos superior à quantidade de sócios com desconfiança de irregularidade, os votos sub judice seriam levados para análise judicial.

Comentário do advogado Sergio Batalha:

Infelizmente, a eleição no Vasco da Gama será decidida pelo Judiciário. Na verdade, Júlio Brant ganhou a eleição com 1933 votos contra 1683 dados a Eurico Miranda. No entanto, caso a urna dos votos em separado seja computada no resultado oficial, Eurico ganharia por 2111 a 1975. A Justiça determinou a contagem em separado dos votos de 691 associados, “implantados” por Eurico no quadro social no último mês antes de que encerrasse a possibilidade de voto para os novos associados. Os supostos “associados” são, em sua maioria, funcionários do clube e não há prova de que tenham pagado suas mensalidades. A própria contagem de votos da urna sob suspeita indica a fraude, pois, em uma eleição extremamente disputada, Eurico teve praticamente todos os votos nela depositados. Entre os sócios de verdade, a chapa Júlio Brant/Alexandre Campello foi a vencedora. Agora, cabe ao Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro anular a fraude preparada por Eurico e devolver o Vasco para os vascaínos.